CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
ContatoContato
LinksLinks
Paulo Vasconcellos
Contos, Crônicas e Poesias
Textos


Brincadeira de criança: como é bom
 
 
Lá pelos idos anos de mil novecentos e tantos, usar brinquedos sofisticados, nem pensar. Adiantando um pouco mais esse idos anos, reporto-me ao meu tempo de criança nas ruas de Capanema, poucas delas pavimentadas ou até pouquíssimas. É bom lembrar tempos de outrora e comparar com a modernidade que nos mostra ferramentas poderosas capazes de aniquilar qualquer invenção artesanal para caracterizar algum brinquedo usado antigamente.
coo%2B304.jpg
As redes sociais, fatias que representam o avanço da tecnologia, nos dias de hoje, nos proporcionam condições para acessarmos slides, gravuras, fotos, vídeos e mais um monte de alternativas, entretanto, sempre aparece algo diferente correspondente ao que as crianças de agora tem em suas mãos, diferente dos brinquedos artesanais que tive o prazer de possuir alguns deles. Compartilhei um vídeo em minha página no Facebook que me fez voltar ao passado e lembrar das brincadeiras nas ruas da minha querida Capanema, sendo que vou citar alguns desses passatempos preferidos de uma geração que está abeirando os 60 anos de idade, tais como: Pira cola, bandeirinha, fura bucho, peteca, papagaio, curica, cangula, baladeira, pula corda, rabiola, pião, roladeira de latas de leite Ninho, caçambas talhadas em latas de óleo, macaca, barquinho e avião de papel,  futebol de travinha na rua, cemitério, barrabol (queimada), pira no rio, bicicleta alugada na agência, parte queijo no antigo coreto da praça, pata cega, camonha, cair no poço, 31 alerta, corrida de pedestrianismo, coisas que me causam arrepios, pois quase não são mais vistas, nas ruas de qualquer cidade.
 
brincadeiras-tradicionais-encantam-a-gar
32-arapuca.jpg
 
brincadeiras-antigas-que-fazia-um-maior-
Mesmo com todo o avanço que me referi anteriormente, ainda existem crianças que brincam com carrinhos de madeira e de plástico puxados por um fim de algodão, sendo que tenho um desses praticantes dentro de minha casa, meu neto Paulo Pietro. Ele é apaixonado por carros e futebol, passando seu tempo livre, depois das tarefas da escola, aproveitando os espaços no quintal, na área de serviço da casa e até no pequeno alpendre (só para complicar o leitor). Sei que esse texto será compartilhado por muita gente da minha geração, mas também fará reboliço com os mais novos que sabem das proezas dos meninos da época do trem, somente através de leituras feita em acervos espalhados por aí. Não estou querendo fazer inveja a ninguém, mas aqueles que pensarem assim, tem ampla liberdade, pois recordar é viver, como dizem alguns letristas. Brincar é muito bom e usufruir dos brinquedos, representa satisfação absoluta para qualquer criança, mesmo ela tendo a seu alcance, sofisticados instrumentos. Para encerrar o texto com saudosismo acentuado,  espero ter provocado alguns de meus contemporâneos que viveram a época de criança brincando nas ruas da cidade mais charmosa e bonita por natureza, a Capanema que tanto amamos.
 
 
*Dedicatória -   Faço menção honrosa a alguns colegas contemporâneos que brincaram nas ruas de Capanema: Robson Luís, Cornélio, Ponção, Raimundinho, Stélio, Laureano, Catonho, Lalá, Gilmar, Walcyr, Hildenor, César Portela, Joãozinho e Nazareno Maia. 
Paulo Vasconcellos
Enviado por Paulo Vasconcellos em 05/02/2015
Alterado em 05/02/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários