CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
ContatoContato
LinksLinks
Paulo Vasconcellos
Contos, Crônicas e Poesias
Textos


Passatempo

Quanto tempo a poesia é efervescente?
Talvez ninguém saiba.
Fazendo e acontecendo para mexer com a gente
Uns escrevendo em rimas
Outros de qualquer jeito
Exclamemos algumas avaliações!
Para não perdermos o rumo
Temos o bom feitor
Que deixa no prumo
Individual ou coletivamente
Proseia-se de qualquer forma
Versejando se for o caso
Andando em direção ao norte
Para não se cometer atraso
Enfim...
Concertando-se os versos concomitantemente
Anuncia-se o que for plausível
Usando-se o factual ou o tempo presente.
Para rebuscar os pensamentos
Imaginando o horizonte distante
Idealizando as palavras na mente
Tentando versos viáveis
Que comportem-se dignamente
Para dissertar sobre a felicidade
Impondo capacidade
Destacando o romance
Que mesmo sem tanto glamour
Nos promova prazer em ler ou ouvir
Um poema que se recite suavemente.
Paulo Vasconcellos e Dinho Aguiar
Enviado por Paulo Vasconcellos em 27/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários